MICROGERAÇÃOEMPRESAAUTO CONSUMOAGUA QUENTEBOMBEAMENTO SOLARNOTICIASCONTATO
NOTICIAS

Minas Gerais poderia exigir módulos locais em sua licitação solar


O governo do estado brasileiro de Minas Gerais fixou em 260 reais brasileiros (US$ 111) o preço de referência do megawatt/hora na licitação solar que prepara para novembro deste ano. Segundo informa o portal financeiro Bloomberg, os projetos que sejam adjudicados deverão dispor de módulos fabricados no próprio estado. Minas Gerais está finalizando os detalhes da normativa que irá reger sua primeira licitação para contratar energia de centrais solares. O modelo a seguir é o que já vem utilizando o estado de Pernambuco em 2013, o qual adjudicou 122,8 megawatts a um preço de US$ 98 por megawatt/hora durante 20 anos. Bloomberg indica que a licitação de Minas Gerais prevê uma duração dos contratos de compra de energia (PPA) de 15 anos... leia a notícia em espanhol


A china Risen aponta o projeto solar de 300 MW em Durango


Jorge Herrera, governador do estado mexicano de Durango, celebrou que a empresa chinesa Risen tenha previsto investir 600 milhões de dólares em um projeto fotovoltaico em Durango, segundo mostrado em um comunicado governamental. O projeto também contemplaria levantar uma produção de módulos fotovoltaicos que poderiam ser exportados para os Estados Unidos e Canadá... leia a notícia em espanhol



Renault instala sistema FV de 20 kW no Paraná

A empresa automobilística francesa Renault inaugurou esta semana um sistema fotovoltaico sobre telhado de 19,6 quilowatts de potência em um estacionamento situado em suas instalações em São Jose dos Pinhais, no estado brasileiro do Paraná, segundo informou em um comunicado. O sistema fotovoltaico incorpora 80 módulos e se estende por uma superfície de 132 metros quadrados...



Casa e Construção: Queda no custo da instalação deve aumentar interesse por painéis que captam energia solar


Bastante comum em alguns países da Europa, como Alemanha, Inglaterra e Itália, os painéis solares e fotovoltaicos surgem como forma de reduzir os custos na conta de luz e na emissão de gás carbônico (CO²). No Brasil, esta fonte ainda não é tão aproveitada quanto poderia, já que estamos situados em uma zona tropical e que dispõe de alta incidência de radiação solar.
Mas a procura por esse meio de captação de energia tende a aumentar. Pelo menos é no que acredita o presidente do Conselho de Arquitetura e Urbanismo de São Paulo – CAU/SP, Afonso Celso Bueno Monteiro. “O alto preço para a instalação desses painéis era até então um impedimento muito forte. Mas estamos vendo uma tendência de queda no custo e, em contrapartida, um interesse maior das pessoas em adotá-los”, diz Monteiro.
Hoje, segundo o presidente do CAU/SP, o custo de uma instalação fotovoltaica básica em uma casa para cinco pessoas é de R$ 4 a R$ 5 mil. Se adicionar outros equipamentos, como bomba e bateria, o preço sobe um pouco mais. “Por conta disso, esses painéis são mais comuns em lugares de difícil acesso à eletricidade”, acrescenta. Mas, ele também ressalta que a queda do valor pago logo nas primeiras contas de eletricidade é bem visível. “Esse sistema permite poupar até 70% da energia elétrica de uma casa, e o retorno do investimento vem em até 3 anos”, diz Monteiro.
No entanto, há diferenças entre os painéis solares e fotovoltaicos. “É comum haver essa confusão entre um coletor solar térmico e a placa fotovoltaica. A placa fotovoltaica converte a energia solar em energia elétrica que gera energia para o funcionamento dos aparelhos, como geladeira, televisão e computador. Já o painel solar é um equipamento mais simples e transforma a radiação solar em energia térmica para o aquecimento de águas de piscinas, chuveiros e torneiras”, explica Monteiro.
O presidente do CAU/SP relata ainda como é a capitação de energia para um painel fotovoltaico. “Os coletores são montados de uma forma que a absorção de radiação solar incidente seja a melhor possível. Quando o céu está claro e sem nuvens, o painel está produzindo 100% de sua capacidade. Já em dias chuvosos ou nublados, essa porcentagem é menor. É importante ressaltar ainda que os painéis não acumulam a energia produzida se não houver uma bateria para o armazenamento, o que encare ainda mais a instalação”.
O painel fotovoltaico é instalado no telhado da casa com um medidor digital de energia, o sistema injeta o excedente na rede da concessionária local que é revertido em créditos para serem utilizados quando o consumo superar a geração.
Publicado em 24.06.2014 – Fonte: Segs







2013 SISA Sistemas Solar Alternativos Comércio e Serviços Ltda - CEP 69915-288 - Rio Branco - AC - Brasil SAC: (68) 3221 5830 sac@sisasolar.com.br